"Digno é Deus, o criador, de toda honra e toda glória para todo o sempre".

Pesquisar pedacinhos

23 de set de 2008

Amizade

O post de hoje é um e-mail que recebi de uma amiga que há muito não a vejo.Ele me tocou .Decidi, então, compartilhar como todos vocês leitores.Espero que faça com que reflitam sobre o conceito de amizade.Será em homenagem áqueles que me ajudam nos momentos mais difíceis.Abraços a todos!






























18 de set de 2008

A caixinha dourada


Um dia um homem castigou sua filha de três anos por desperdiçar um rolo de papel dourado de embrulhar presentes.

O dinheiro andava escasso naqueles dias, razão pela qual o homem ficou furioso ao ver a menina envolver uma caixinha com aquele papel dourado
e colocá-la na árvore de Natal.

Apesar de tudo, na manhã seguinte, a menininha levou o presente ao pai e disse: "Isto é para si, paizinho!".

Ele sentiu-se envergonhado da sua furiosa reação, mas voltou a "explodir" quando viu que a caixa estava vazia.

Gritou, enquanto dizia: -Tu não sabes que quando se dá um presente a alguém, coloca-se alguma coisa dentro da caixa?"

A menina olhou para o pai com lágrimas nos olhos e disse:
--Oh, Paizinho, não está vazia.

Eu soprei beijos para dentro da caixa.
Todos para si, Paizinho.

O pai quase morreu de vergonha, abraçou a menina e suplicou que ela o perdoasse.

Dizem que o homem guardou a caixa dourada ao lado da sua cama por anos e sempre que se sentia triste, chateado, deprimido, ele recebia um beijo imaginário e recordava o Amor que a sua filha havia posto ali.



De uma forma simples, mas sensível, cada um de nós humanos temos recebido uma caixinha dourada, cheia de Amor incondicional e beijos de nossos pais, filhos, irmãos e amigos......
Ninguém poderá ter uma propriedade ou posse mais bonita do que esta
.

Retirado do site: comunidade-espiritual.com

16 de set de 2008

Pedaços de mim





Pedaços de mim
Quem um dia foram compostos por teu sorriso

Pedaços de mim
Que ja viveram a morte e a vida

Pedaços de mim
Gritam pelo inteiro que já se foi

Pedaços de mim
Clamam pelo teu corpo que os tocaram

Pedaços de mim
Somam as chagas que sofri

Pedaços de mim
Subtraem o amor que vivi

Pedaços de mim
Exalam perfume da luxúria que não tive

Pedaços de mim
Imploram pela ressurreição

Pedaços de mim
Observam você ressurgir de um sorriso

Pedaços de mim
Lentamente se recompoem ao que um dia você se apaixonou perdidamente:

Pedaços de mim.

14 de set de 2008

Feitiço mortal





A lua...
Enfeitiçou-me através de tua face.Cúmplices de um amor... encanto.

Impulsos ...
Fizeram-me investir numa fábrica de sonhos a qual se estendia ao longo da Rua da Esperança.

Fracasso.
Transformara-se na avenida dos sonhos despedaçados.

13 de set de 2008

More than words- Extreme

Saying 'I love you' is not the words
I want to hear from you
It's not that I want you
Not to say but if you only knew
How easy it would be to show me how you feel


Dizer "eu te amo"não são as palavras
Que quero ouvir de você
Não é que eu não queira
Que você diga mas se você apenas soubesse
Como seria fácil mostrar-me como você se sente

More than words
Is all you have to do to make it real
Then you wouldn't have to say
That you love me cause I'd already know

Mais que palavras
É tudo o que você tem que fazer para tornar isso real
Daí você não precisaria dizer
Que você me ama porque eu já saberia

What would you do if my heart was torn in two
O que você faria se meu coração se partisse em dois?

More than words to show you feel
That your love for me is real
What would you say if I took those words away
Then you couldn't make things new
Just by saying I love you

Mais que palavras para mostrar o que você sente
Que o seu amor por mim é real
O que você diria se eu jogasse aquelas palavras fora?
Então você não poderia fazer das coisas novidade
Apenas dizendo "eu te amo"

Now that I've tried to
Talk to you and make you understand
All you have to do is close your eyes
And just reach out your hands

Agora que tentei
Falar com você e fazer você entender
Tudo o que você tem que fazer é fechar seus olhos
E só estender suas mãos

And touch me hold me close don't ever let me go
E me tocar me abraçar apertado e não me deixa nunca ir embora

More than words
Is all I ever needed you to show
Then you wouldn't have to say
That you love me cause I'd already know


Mais que palavras
É tudo o que eu sempre precisei que você mostrasse
Daí você não precisaria dizer
Qque me ama, porque eu já saberia.

12 de set de 2008

Floquinho


Havia uma pequena aldeia onde o dinheiro não entrava. Tudo o que as pessoas compravam, tudo o que era cultivado e produzido por cada um, era trocado.A coisa mais importante, a coisa mais valiosa, era a amizade. Quem nada produzia, quem não possuía coisas que pudessem ser trocadas por alimentos, ou utensílios, dava seu CARINHO.O CARINHO era simbolizado por um floquinho de algodão. Muitas vezes, era normal que as pessoas trocassem floquinhos sem querer nada em troca. As pessoas davam seu CARINHO pois sabiam que receberiam outros num outro momento ou outro dia.

Um dia, uma mulher muito má, que vivia fora da aldeia, convenceu um pequeno garoto a não mais dar seus floquinhos. Desta forma, ele seria a pessoa mais rica da cidade e teria o que quisesse.Iludido pelas palavras da malvada, o menino, que era uma das pessoas mais populares e queridas da aldeia, passou a juntar CARINHOS e em pouquíssimo tempo sua casa estava repleta de floquinhos, ficando até difícil de circular dentro dela. Daí então, quando a cidade já estava praticamente sem floquinhos, as pessoas começaram a guardar o pouco CARINHO que tinham e toda a HARMONIA da cidade desapareceu.

Surgiram a GANÂNCIA, a DESCONFIANÇA, o primeiro ROUBO, o ÓDIO, a DISCÓRDIA, as pessoas se XINGARAM pela primeira vez e passaram a IGNORAR-SE pelas ruas.Como era o mais querido da cidade, o garoto foi a primeiro a sentir-se TRISTE e SOZINHO, o que o fez o menino procurou a velha para perguntar-lhe e dizer-lhe se aquilo fazia parte da riqueza que ele acumularia.Não a encontrando mais, ele tomou uma decisão. Pegou uma grande carriola, colocou todos os seus floquinhos em cima e caminhou por toda a cidade distribuindo aleatoriamente seu CARINHO.

A todos que dava CARINHO, apenas dizia: "Obrigado por receber meu carinho".Assim, sem medo de acabar com seus floquinhos, ele distribuiu até o último CARINHO sem receber um só de volta. Sem que tivesse tempo de sentir-se sozinho e triste novamente, alguém caminhou até ele e lhe deu CARINHO. Um outro fez o mesmo...Mais outro...e outro...até que definitivamente a aldeia voltou ao normal.


MORAL DA ESTÓRIA: Nunca devemos fazer as coisas pensando em receber em troca. Mas devemos fazer sempre. Lembrar que um amigo existe é muito importante. Muito mais importante do que cobrar dos outros que se lembrem de você, pois assim, você estará querendo acumular amizades sem fazer o seu papel de amigo.Receber CARINHO é muito bom. E o simples gesto de lembrar que um amigo existe é a forma mais simples de fazê-lo.

Este é meu floquinho pra você!


Retirado do site: psicologiapravoce.com.br
Imagem por: Digho

11 de set de 2008

Um dia diferente


Barba por fazer,camisa mal passada, calça jeans, tênis preto e um chiclete no solado, lá vou eu quase correndo, (só não digo com cabelos esvoaçantes porque cortei) deixando para trás MSN e uma galerinha de bom papo.
Minha sobrinha ficou internada e fui ficar com ela para minha irmã descançar.Como dizem, a pressa é inimiga da perfeição; ou seria da inteligência mesmo?(risos).Na pressa que eu estava peguei um ônibus que só parava duas ruas antes do meu destino (Santa burrice).
Depois de entrar na pediatria me senti em casa, baixinhos para todos os lados alegres que nem pareciam dodóis.Me dirigi ao quarto de minha baixinha e a beijei ternamente enquanto recebia um abraço daqueles que você não quer mais se desprender.Depois de beijos e abraços ela segura minha mão e me conduz até a brinquedoteca.Pronto! A visão do céu rsrs Anjinhos correndo e brincando.Tão alegres que nem pareciam estarem dodóis.Isso me animou,pensei comigo: "salvaram o meu dia".Escolhemos umas historinhas e eu contava..1,2,3..a essa hora a sala já estava mais vazia.
Eu sentado e lendo historinhas pra eles sinto que alguém entra pela porta, então levanto a vista como que para comprimentá-la com a cabeça;daí abaixo novamente e em segundos levanto com um pulo seguido de um abraço forte e um sorriso indescriptivel: uma amiga da 5º série.Convidei para sentar junto conosco e começamos a conversar.Tantos assuntos, tantas pessoas a lembrar,situações...Fiquei tão feliz em revê-la e saber que está bem.Ela me disse que estou do mesmo jeito, ou seja, cara de adolescente (eu amo quando dizem isso).Ela me falou sobre um dos nossos colegas da época que se envolveu com drogas ( Isso me acaba, fico super mal ) e outros que foram morar fora do país.
Depois de colocarmos algumas conversas em dia, voltamos cada um para seu quarto pois a janta ja iria ser servida.Depois do jantar e de eu ter faltado dançar o créu para fazer minha sobrinha comer pelo menos um pouco, minha irmã chega.Passei no quarto onde minha colega estava, mas não a encontrei.Mais uns beijinhus da minha baixinha e outro abraço daqueles, fui embora na esperança de melhoras para os baixinhos que dividiram seus brinquedos comigo e que me animaram com seus sorrisos.


4 de set de 2008

Encanto






Era noite.
Eu estava ansioso para encontrar no seu olhar o que sempre procurei em outras faces.
Faces estas que roubaram de mim a alegria e deixaram em seu lugar apenas o desespero por uma face que um dia viria a ser a sua. Tão iluminada, tão serena...



Com um "buuu" desvie sua atenção para mim enquanto vc me esperava em pé.
Nunca imaginei que aquela face que se voltara para mim fosse tão irradiante quanto o luar daquela noite.
Quando se voltou para mim e sorriu você iluminou minha alma e meu coração que havia estado em trevas por muitas e muitas faces.



Um pouco de silêncio e uma boa dose de paixão, combinação perfeita para falar algo que viesse a arrancar outro sorriso arrebatador como aquele.
Havia espinhos então não pude me mover muito e nem falar o que eu queria; mas logo viriamos a estar no paraíso, no qual eu poderia comtemplar tua face e assim receber em meu coração toda luz que ela podesse irradiar.



Chegados ao paraíso,olhando através da persiana e contemplando a tão admirada lua,madrinha dos namorados, encantadora de faces, cúmplice da paixão.



Não sei se combinaram ou se foi mera coincidência, mas a lua banhando seu rosto me fez esquecer o passado e viver de presente,ensinou-me a contemplar tua face e valorizar cada segundo da vida ao seu lado e não tentar entender o que é o amor e sim apenas senti-lo e ser eternamente grato pelo melhor presente que Deus me deu:


VOCÊ.




1 de set de 2008

Inexplicável


Como um coração tão pequeno pode suportar tanto amor?
Como?
Como alguém tão comum pode ter um dom tão magnifico que é amar você?
Como?
Como posso ter uma estrela se ao menos posso tocar o céu?
Como?
Como posso olhar nos teus olhos sem ver a felicidade?
Como?
Como posso estar ao seu lado e não ter vontade de te tocar?
Como?
Como posso fechar os olhos sem ver seu lindo sorriso banhado pelo luar?
Como?
Como posso caminhar pela calçada e nao lembrar de vc ao meu lado cantado?
Como?
Como posso escutar Linger e não lembrar de nós dois?
Como?
Como posso ver rosas e não lembrar que são tão delicadas quanto o toque de seus lábios?
Como?
Como posso simplesmente existir e não saber que vc é a razão pela qual respiro?
Como?
Muitas coisas na vida não tem explicação e nem precisaria.
O amor que sinto por vc é uma delas.
Não precisa entender e nem haver explicação.
Basta sentir.
Te AMO

5 de ago de 2008

Sem título

Era noite...
Se havia lua, não havia visto
e nem precisara pois logo ela se mostraria banhando sua face.. e lentamente iluminando seus labios que como que num encanto de segundos fizesse surgir um sorriso que me levaria a conhecer o que jamais imaginaria conhecer naquela noite: O amor.

Ah, sua face....
Oh face..
Como pode me causar tanta alegria?
Acaso és a própia felicidade?

Estava silencioso....
Se havia som eu não havia escutado
e nem precisara pois logo ele viria de sua boca cantando bésame....e lentamente penetraria em meus ouvidos fazendo me ouvir cantos de seres que só cantam para o Altíssimo: Os anjos.

Ah seus olhos...
Oh olhos...
Como pode ver em mim o que há de melhor?
Acaso és Deus?

Eu não podia tocá-lo naquele momento
Se podia eu não havia o tocado naquele momento
e nem precisara pois logo suas mãos me ensinariam os caminhos para seu corpo fazendo-me descobrir o que muitos desejam: Seus segredos


2 de ago de 2008

Rosa (pixinguinha)


Tu és, divina e graciosa
Estátua majestosa do amor
Por Deus esculturada
E formada com ardor
Da alma da mais linda flor
De mais ativo olor
Que na vida é preferida pelo beija-flor
Se Deus me fora tão clemente
Aqui nesse ambiente de luz
Formada numa tela deslumbrante e bela
Teu coração junto ao meu lanceado
Pregado e crucificado sobre a rósea cruz
Do arfante peito seu

Tu és a forma ideal
Estátua magistral oh alma perenal
Do meu primeiro amor, sublime amor
Tu és de Deus a soberana flor
Tu és de Deus a criação
Que em todo coração sepultas um amor
O riso, a fé, a dor
Em sândalos olentes cheios de sabor
Em vozes tão dolentes como um sonho em flor
És láctea estrela
És mãe da realeza
És tudo enfim que tem de belo
Em todo resplendor da santa natureza

Perdão, se ouso confessar-te
Eu hei de sempre amar-te
Oh flor meu peito não resiste
Oh meu Deus o quanto é triste
A incerteza de um amor
Que mais me faz penar em esperar
Em conduzir-te um dia
Ao pé do altar
Jurar, aos pés do onipotente
Em preces comoventes de dor
E receber a unção da tua gratidão
Depois de remir meus desejos
Em nuvens de beijos
Hei de envolver-te até meu padecer

De todo fenecer

Sentimentos


Te amo como gaivota voando sobre o mar revolto
sem ter onde pousar.
Te amo como ondas batendo forte contra os rochedos,
furiosamente...insistentemente.
Te amo como nuvem que passa... espessa... escura...
num céu de tempestade.
Te amo como chuva forte em terra seca
sem sementes... sem vida... improdutiva.
Te amo como lágrimas lavando saudades numa
face sem a doçura de esperanças.
Te amo como andorinha com asas feridas sem
poder voar à procura do verão.
Te amo como um lamento cansado, em silêncio
sem forças, sem sons.
Te amo como sangue jorrando em ferida aberta,
à espera da morte... à espera do fim.
Te amo como noite escura
ocultando medos, segredos, desatinos e solidão.
Te amo... Ah! como te amo
... e te amo tanto
que dói no peito... sem jeito de ser outra
coisa que amor...banal! ...simples e sem razão
pra existir... sem porquês ... e sem querer ser...
Que não se quer deixar viver...
e que não se pode matar.


Tereza Bólico

1 de ago de 2008

From This Moment on ( Shania Twain)

(I do swear that I'll always be there. I'd give anything
and everything and I will always care. Through weakness
and strength, happiness and sorrow, for better, for worse,
I will love you with every beat of my heart.)

Juro que sempre estarei ao seu lado. eu daria tudo,
Qualquer coisa e sempre cuidarei. através da fraqueza
E fortaleza, alegria e tristeza, pelo melhor ou pior,
Te amarei com a força de cada batida do meu coração

From this moment life has begun
From this moment you are the one
Right beside you is where I belong
From this moment on

A partir deste momento a vida começou
A partir deste momento você é o único
E bem ao seu lado é onde eu pertenço
A partir deste momento em diante

From this moment I have been blessed
I live only for your happiness
And for your love I'd give my last breath
From this moment on

A partir deste momento eu fui abençoada
Eu vivo somente para sua felicidade
E pelo seu amor eu daria meu último suspiro
A partir deste momento em diante

I give my hand to you with all my heart
I Can't wait to live my life with you,I can't wait to start
You and I will never be apart
My dreams came true because of you

Eu entrego a minha mão para você com todo o meu coração
Não posso esperar para viver minha vida com você, não posso esperar para começar
Você e eu nunca nos separaremos
Meus sonhos se tornaram realidade por sua causa

From this moment as long as I live
I will love you, I promise you this
There is nothing I wouldn't give
From this moment on

A partir deste momento e enquanto eu viver
Eu vou te amar, eu te prometo isto
E não há nada que eu não daria
A partir deste momento
Eu vou te amar enquanto eu viver
A partir deste momento em diante

You're the reason I believe in love
And you're the answer to my prayers from up above
All we need is just the two of us
My dreams came true because of you

Você é a razão por eu acreditar no amor,
Você é a resposta das minhas orações lá de cima
Tudo que nós precisamos é somente de nós dois
Meus sonhos se tornaram realidade por sua causaAlinhar ao centro


20 de jul de 2008

Linger (tradução) The Cranberries

Prolongar

Se você, se você pudesse voltar
Não deixe virar cinzas
Não deixe desaparecer
Tenho certeza que eu estou mais feliz
Mas é apenas a sua atitude que
Está me rasgando em pedaços
Está arruinando todos os dias

Eu jurei, eu jurei que seria sincera
Mas doçura, você também jurou
Então porque você estava segurando
a mão dela?
É desse jeito que vamos ficar?
Você estava mentindo o tempo todo?
Era só um jogo para você?

Mas eu sinto sua falta
Você sabe que eu sou como uma boba por você
Você me tem na suas mãos
Você tem que deixar isso prolongar-se?
Você tem?
Você tem?
Você tem que deixar isso prolongar-se?

Oh, eu pensei que eu o amava
Eu pensei que nada pudesse dar errado
Mas eu estava errada
Eu estava errada
Se você, se você conseguisse sobreviver
Tentando não mentir
As coisas não seriam tão confusas
E eu não me sentiria tão usada
Mas você sempre soube que
Eu apenas quero estar com você

E eu sinto sua falta
Você sabe que eu sou como uma boba por você
Você me tem na suas mãos
Você tem que deixar isso prolongar-se?
Você tem?
Você tem?
Você tem que deixar isso prolongar-se?

Você sabe que eu sou como uma boba por você
Você me tem na suas mãos
Você tem que deixar isso prolongar-se?
Você tem?
Você tem?
Você tem que deixar isso prolongar-se?

1 de jul de 2008

Curriculum Mortae


Identificação:
Nome: Mr Solidão
Nacionalidade:Hsc-15-K
Naturalidade: Cemitério Sonhos Despedaçados
Endereço: Rua da ilusão, túmulo número 222
Desesperos-Capital
Contato: canto de corvo ,15° tom
Idade: 3 séculos


Formação Acadêmica:
Vôos noturnos com asas a 110º
Levitação giratória
Levitação com asas no eixo 2
Invisibilidade diurna
Invisibilidade noturna
Heart breaker
Loster
Cursando 2ª década de Mentiras na Universidade Dark Lies

Cursos:
Operador de Mutiladora automática
Local: Kort-K

Auxiliar de Estilhaçador

Noções em Administração de sistemas 2/3
Local: Kort-K

Experiência Profissional:
Empresa: No Heart
Função: Injetor de K-763
Período: Século XX década 20

30 de jun de 2008

Encontrado


Perdido, eu
Tive um pesadelo
Perdido, eu
Acordo assustado
Perdido, eu
Tento lembrar-me do que houve
Perdido, eu
Escuto vozes em minha cabeça
Perdido, eu
Começo a gritar
Perdido, eu
Desmaio no chão
Perdido, eu
Acordo e vejo tudo sem cor
Perdido, eu
Caminho em direção à porta
Perdido, eu
Abro a porta e só vejo fogo lá fora
Perdido, eu
Fecho a porta e recuo
Perdido, eu
Vejo a solidão sentada sobre minha cama
Perdido, eu
O desespero bate a minha porta
Perdido, eu
Peço que volte no outono
Perdido, eu
A morte aparece na janela
Perdido, eu
Dou–lhe um beijo
Perdido, eu
Perdidamente me apaixono.
Perdido,
Eu.

 http://digho.blogspot.com

28 de jun de 2008

Sentimento Sobre Pétalas


Escrevi sobre uma violeta. Ela era tão bela, brilhava diante de meus olhos com seu tom mesclado como branco que contrastava como verde de seu caule; algo incrivelmente perfeito.
Eu a admirava todos os dias, e pela manhã seu brilho eram mais belo ainda, suas pétalas eram diferentes como que se renovassem para mim a cada dia. Eu a namorava todos os dias, e ela sabia muito bem disso, ma existia um sentimento por trás daquilo tudo. Eu a admirava e invejava sua trajetória, eu a invejava. Ela tinha a vida que eu desejo ter, suas pétalas abrem como eu gostaria que minhas asas se abrissem quando sentisse a luz do sol ao acordar.
Negro sentimento!

Eu a amava tanto, mas... Chegou o dia, eu estava muito magoado, minhas asas estavam ensangüentadas e eu me sentia só, totalmente sem ninguém, perdido numa floresta onde não sou bem vindo. Lobos e corvos tentam me devorar, me ferem e o que eu tinha como uma rosa inofensiva de repente crava seus espinhos em mim me enfraquecendo para servir de alimento aos corvos... Fiquei imóvel, não gemi, só sangrei. Eu pude escutar o fluxo de sangue do meu coração a cada espinho que o perfurava e a cada ação do corvo, mas consegui sair vivo, porém ferido, muito ferido. Esse foi o motivo que me levou a fazer o que fiz.

Pobre violeta.
Tão bela,
Tão jovem,
Tão vívida e agora...
Eu escrevi uma palavra muito forte sobre ela, eu a feri. Feri suas pétalas assim como feriram minhas asas.

Eu a colhi do meu quintal, não era manhã, mas seu brilho era o mesmo; jovial como sempre. Suas cores ainda vibrantes, mas meu desespero fez cessar isso tudo. Apanhei do meu quintal, eu a queria para me fazer companhia, caminhei em direção ao quarto, entrei, tranquei a porta atrás de mim e sentei-me sobre minha cama fria.No quarto, eu, a violeta e a solidão; os três sentados sobre a cama, sem rumo na vida. Peguei a violeta e segurei a ternamente em minhas mãos, então a beijei, nesse momento senti sua pele tocando a minha. Sua suave pele sendo esfoliada por minha barba, depois de alguns momentos assim, tornei uma caneta e escrevi sobre uma pétala, era linda aquela palavra que a cada curva da caneta ia formando o que eu mais desejava naquele exato momento.

Não correu uma lágrima sequer dos meus olhos, pois tudo está seco, frio, pálido e morto. Fico como que em transe contemplando aquela palavra escrita sobre a pétala e lembrando-se das minhas feridas incuráveis, quando sinto uma dor extremamente forte em minhas asas e acordo do transe, olho para a violeta e vejo que está murchando. Lamentando tê-la tirado a vida eu pego uma folha de papel que agora escrevo e segurando a violeta, começo a escrever o que agora você lê. À medida que escrevo, a violeta vai murchando, até o nome que eu havia escrito se tornar ilegível, então a seguro tentando abrir suas pétalas e leio o que eu tanto desejo, leio o que havia escrito, leio o que já não se pode ler, leio para mim mesmo e para a solidão que sentada ao meu lado, sobre minha cama, observa sair da minha boca o que eu pronuncio lentamente: amor,
amor, amor, amor...

Obs: texto escrito em 28/06/2008

               http://digho.blogspot.com/

26 de jun de 2008

Herança

Negro como a noite sem luar, trancado nesse mundinho que os elementos me deram de presente. Ardendo de ódio, sentimento dos suicidas, um exemplo, não. Uma história a querer que lembrem, a querer que completem assim como fiz com as minhas inacabadas.

Tenho procurado arquivos, vestígios de comunicação com o incomunicável, aquele que me fez chorar pelo que já não lembrava mais exceto quando sonhava acordado. Desespero-me a encontrá-lo, pois já não me escreve mais com antes. Trancado em seu esconderijo envelhecido camuflado com jornais que, na verdade, são coleções de arquivos e histórias de suicidas.

Não há virtude nisso tudo, mas também não há maldade.

Almejo o que jamais terei. Todos os dias, sem cansar. O ódio corrói como ácido sobre minha pele desnudando-a para mostrar minha carne e seus vermes que habitam sob ela.

Tenho almejado a ufania, pois assim não estaria me sentindo dessa forma, mas como eu não a alcanço. Desejo mesmo a morte assim como aqueles que semelhante a mim morreram deixando nada além do que arquivos suicidas, lindas histórias de coragem e de covardia. Eles têm deixado por herança apenas histórias trancadas no porão.


Esquecidas não.
Não conhecidos.

Estão a serem descobertos não importa o tempo.
O século deles se aproxima e nele haverá uma conferência. Serão reconhecidos nas reuniões dos suicidas, na Conferência dos Inocentes diante da secreta Sociedade dos Condenados e poderão ver claramente as lágrimas de sangue sobre a Carta-mestre envelhecida escrita em papel quase deteriorizado pelo tempo, tempo esse que torna na lembrança de todos, aquilo que era negro em apenas uma imagem como velhas enciclopédias numa estante de um mosteiro. Consegue sentir o cheiro de carne humana?

Sangue...
Sangue...
Carnes humanas de ucharia.

OBS: Esse texto foi escrito dia 14/02/08


  http://digho.blogspot.com

17 de jun de 2008

Hope





Tenho me olhado no espelho, constantemente, buscando algo dentro de mim. Mas minhas buscas foram em vão. Talvez tenho achado em você algo que desejo,talvez tenho encontrado o que me faz repousar por um momento, talvez sua face me deixe em transe, talvez pensar em você me tire desse mundo por alguns segundos, Talvez...
Há muito tempo não recebo uma visita no meu túmulo, estou completamente sozinho perdido em mim mesmo. Suprimido por todos os lados, sempre olhando para o mesmo hemisfério da vida, as mesmas rosas deixadas no meu túmulo, elas não me alegram mais. Já passou o tempo em que eu tinha forças para levantar e dizer: "só mais uma vez, você consegue” Hoje me sinto fraco.
Cansei de toda vez que tento me recompor, acabo me dissolvendo em sentimentos não conhecidos, obscuros demais para uma frágil esfera-negra como esta. A madrugada é muito fria e tão longa quanto à estrada que me conduz a isso tudo.
Quando sua sombra vai embora, minha face se torna como uma nuvem negra sem brilho sem vida. Sei que sua sombra voltará assim que surgir um feixe de luz entre essas árvores que cercam minha sepultura. Então meu rosto refletirá tudo o que sinto. E quando bate a insegurança de te ver escorrer pelas minhas mãos como essas lágrimas que escorrem do meu rosto? Nesse momento me volto para o espelho e olho, hipnotizado. Vejo sua face ela me convida a ir junto a ti, mas quando tento tocar-te, vejo pequenos pedaços caindo, quebram-se. Pedaços de mim.
Agora tendo que esperar que você volte para eu tentar me recompor, mas você sabe que sozinho não posso. Não é fácil colocar tudo de volta no lugar.são pequenos demais, diferentemente do que sinto agora.Não cabe na minha esfera negra..é muito forte e doce.
Um espinho envenenado cravado em meu ego. Você diz que sou capaz de movê-lo, mas será?Eu sempre duvidei que eu fosse capaz. Toda vez que tentava pensar diferente olhava ao meu redor e via que me encontrava no mesmo cemitério de sempre. Isso me dava medo, pois eu via que a capacidade que tanto dizem não existia. Isso me dava medo e então minhas forças restantes foram sugadas pelo medo.
Quando menos esperei, fui surpreendido com uma luz... Era outono eu, sentado sobre meu túmulo, como sempre; vi um ser entrar pela porta do cemitério com grandes asas brancas que emitiam luz, quase fui cego com tanta luz, mas eu precisava ver a qualquer custo.Esse ser veio caminhando em direção a mim. Ele já me conhecia por dentro. Tinha um rosto tão doce e confortante... Sentou-se ao meu lado e sorriu. Foi o suficiente para me dar forças que eu precisava para continuar. Da sua boca saiam palavras que flutuavam suavemente até chegarem aos meus sentidos. Com tudo o que ele me disse levantei-me tomei fôlego e tentando elevar meu espírito ,mas ainda não é fácil assim.
Convença-me de que eu sempre estive doente e que tudo isso fará sentido quando eu melhorar.

14 de jun de 2008

Luto de um anjo( alguns meses depois)


Quem lembra desse texto,LUTO de um anjo, vai lembrar também da dramaticidade que ele é.Ele foi postado em 4 de novembro de 2007, mas foi escrito bem antes.Vendo o arquivo do blog eu o li e tive uma vontade imensa e incontrolável de fazer alguns comentários sobre alguns trechos dele(não me pergunte o porquê)Pois bem,hoje venho satirizá-lo.Os comentários estão em negrito.Espero que gostem!
Vale a pena ler!

Minhas asas estão úmidas.(será por quê?)Está chovendo muito e eu ainda caminhando por essas ruas em busca de não sei o que.(eu sei..em busca do que hj você ainda,por insitência,procura)Totalmente sem destino(com razão) e deixando para trás algo que me fez sorrir, algo que me fez chorar.(mais chorar do que sorrir né?)Poucos momentos de felicidade(pôe pouco nisso) mas que ficarão arquivados e selado, não com essas lágrimas que agora caem dos meus olhos mistutando ás poças de água que caem do céu, nem com as gotas de sangue que agora escorrem desse deteriorizado coração, mas sim com a gota da essência do meu amor puro.(arquivados podem a ter ficar mas selado jamais)Amor esse que foi desprezado, antes enganado, servindo como diversão.(ain...)
Fecho os olhos na intenção de abri-los novamente como quem acorda de um pesadelo mas antes mesmo de abri-lo sinto o vento frio da solidão tocar meu rosto e minha pele que num instante arrepia.(Quanto sentimentalismo...hunf)È então que baixo a cabeça e novamente as lágrimas descem já sem esperança alguma.(depois de meses veio a esperança, vestida de preto.Uma filha-da-puta..não morre nunca hein?)
Flashes passam em minha mente relembrando do que descobri e que não esperava.(o que descobriram né? você não descobriu nada) É então que me pergunto: "Como pode um anjo magoar meu coração?"( aff, te garanto que não era anjo,depois disso um chifre e um rabinho sairam.Uma gargalhada maléfica tomou conta da rua e viveram infelizes para sempre)

12 de jun de 2008

Dark Day


Mais uma vez estou sentado aqui, sozinho, como em todos os séculos sobre meu túmulo esperando as rosas-negras que tanto desejo a cada dia.Hoje é dia de levar ao encontro o que há de melhor na alma de cada um.Posso olhar ao meu redor e ver quantas rosas-negras estão sendo seguradas pelas mãos de outros anjos como eu.Hoje o cemitério está lindo, flores para todos os gostos, anjos abrem suas asas a mais de noventa graus, para expressar o quao felizes se encontram.No lugar do epitáfio,frases de amor se encaixam formando uma deslumbrante história com final feliz.Corujas cantam alegremente canções jamais cantadas e os corvos seguem com a mais clássica melodia, a tradição sempre presente quando chega o momento em que a lua se esconde atrás dos velhos galhos secos e o show se inicia primeiro com grupo de morcegos sobrevoando de forma coordenada compondo uma entusiasmada dança no ar.Uma surpresa aguarda a todos talvez o momento mais esperado da noite.Nesse momento o Outono faz sua parte trazendo uma brisa que,por sua vez envolve as árvores ali presente causando uma lenta "chuva" de folhas secas; algo extraordinário.A lua se esforça e intensifica seu brilho,refletindo nas folhas sua paixão pelo dia de hoje.É como se cristais caissem do céu em plena noite tão negra quanto o que sinto agora...Olho para meu epitáfio na esperança de haver alguma mensagem mas o que vejo são as mesmas palavras.
No momento em que caem as folhas, todos os anjos abrem suas asas simultaneamente ao som do coral que acompanha o balé das folhas caindo.Dizem ser algo lindo.É uma canção especial que somente aqueles que tem rosas-negras conseguem ouvir.Eu, no entanto, ficarei para sempre cantando Against all odds e esperando em algum dia encontrar uma rosa-negra.

11 de jun de 2008

||°ynitseD




Tive um pesadelo. Foi horrível, acordo assustado e visto minha armadura na intenção de fingir novamente. A cada dia que passa percebo que fica mais difícil vencer a guerra. Acho que peguei todos os acessórios da armadura, mas e se eu tiver esquecido algo? Estou com medo. Hoje amanheceu diferente está muito frio e as negras cortinas se balançam com o vento congelante que vem de fora. Posso sentir a minha respiração acelerando ao passo que a tensão aumenta a cada passo que dou em direção á porta. Realmente percebo que hoje estou muito fraco, não sei se voltarei para casa, não sei se chegarei vivo. Estou sangrando. Como pode acontecer isso? Estou perdido, tenho que fazer algo antes que sintam o cheiro que tanto os atrai.
Consegui fazer com que o sangue estancasse, mas o cheiro ainda é muito forte. As velas se apagam com uma brisa que não sei de onde vem. Totalmente escuro não encontro minha espada. Embora eu não a leve a guerra eu tenho de vê-la todos os dias para ver se não a roubaram de mim. Um dos meus piores anseios é de ser morto por minha própria espada. Repentinamente as velas se ascendem, assustado, tento me aproximar da janela
mas antes que eu chegue até ela, novamente se apagam as velas e agora um vento forte quase leva as velhas negras cortinas,então já chorando eu caio no chão e começo a sangrar novamente,me arrastando até o canto do quarto,começo a cantar...uma canção que nem mesmo sei; então o vento pára junto com a desconhecida canção que é interrompida com um soluço no ar sem som, totalmente lacrada,até que um silêncio total toma de conta do meu quarto e de todo o meu exterior.Mas só até escutar passos e uma ofegante respiração se aproximar. Fecho os olhos, comprimo meus lábios, esperando o momento ideal e em segundos me encontro na porta, encosto minha face nela e sinto o que me espera do outro lado. Passa se um flash de derrota em minha mente seguida de meu mais íntimo gemido de dor. Através da porta posso ver um ser de semelhança andrógina diantejavascript:void(0)
Publicar postagem de mim que se decompõe em vermes e lentamente vai me consumindo.

28 de mai de 2008

Sem título




Como eu poderia me recompor enquanto você me dissolve nesse ácido mortal que é a vida?
Deixe com que eu viva a morte independentemente do que possa acontecer. Ajude-me se for capaz. Traga de volta o sorriso que nunca existiu, exceto em meus sonhos no qual me encontro toda vez que é necessário.
Por favor, quero retroceder e apanhar cada peça, cada migalha do que se desfez talvez por um silêncio talvez por uma única palavra, talvez pelo acaso, pelo vácuo, pelo vazio.
Dê-me. Mas não o passado. Dê-me o presente, dê-me o direito á loucura.
Colabore e então saberá do que o meu silêncio falava e verá que tudo conspirava ao seu favor. Você irá gostar.
Caiu o que fazia com que alguns depunham a meu favor. O que se vê no lugar então?Será que é necessário que eu diga? Está exposto para que todos possam ver. Quem quer ver? Se quiser pode rir um pouco só não aponte seu maldito dedo para mim.
Eu que tenho devorado o que parecia indevorável deixo-me a ser devorado por mim mesmo.
O que você fez? Olhe para si e me diga que eu não posso cobri-lo. Diga-me, por favor, diga o que há de mais sincero no meu olhar. Olhe profundamente. Pegue-me pela mão e me conduza gentilmente ao lugar onde eu descobri as faces do amor e faça-me reviver cada momento como se eles não tivessem sidos consumidos e então eu o farei de outra forma se assim você se deixar ser guiado pelo principio, o broto, aquele que já nasceu, aquele que jamais enxergou o que eu agora vejo em você.

27 de mai de 2008

Dark letter


Abro os olhos como o canto do corvo, o mesmo que me traz noticias de você e o que vejo na minha frente? A esperança de ver um pôr-do-sol. Uma onda de pensamentos e desejos indesejáveis toma minha mente e traz de volta os momentos menos esmagadores; aqueles do qual tenho saudades, aqueles que trazem o doce sabor de sangue para minha boca, que me faz ninar e adormecer em minha doce sepultura até que o inverno chegue.
Levanto-me e começo a corrida contra o que o corvo tem me mostrado desde o seu primeiro canto, então me apresso ainda mais quando um mortal bate a minha porta, como se soubesse de meus interesses em viver ao menos mais um dia já que tenho essa esperança. Depois de colocar um pouco de verdades de dentro da ultima gaveta e colocar no bolso junto com a esperança que acumulei durante a semana, saio de casa esquecido do que me esmagou antes dessa nova esperança surgir.Tenho que observar de onde estou tudo o que se passa,e até que não é tão ruim fazer um tour, de uma forma tão rápida, pela cidade dos mortais e deparar com a face de cada um e ver o quanto são capazes de fingir.Quando chego uma sensação de dejá vu toma conta do ar então desço um degrau. Acredito que se não fosse a tal da esperança teria descido no mínimo uns cinco degraus. Isso não chega a abalar as estruturas do que me faz ser como eles (essa parte suja de mim). Ali naquele momento eu não imaginava o que me aguardaria. Minha máscara ia cair mais cedo ou mais tarde. Vou então para o lugar onde mais sinto cheiro de sangue. Lá existem muitos mortais. Eles passam, desfilam, correm e vestem outra fantasia por cima da sua própia. Despem-se, vestem.
O corvo sempre comigo me trazendo a má noticia ao passo que vejo que o dia esta acabando e que não chegarei a ver o pôr-do-sol. Tento fazer com que o corvo avise que preciso dessa energia para eu poder segurar essa máscara, mas pelo visto nada deu certo novamente. Um espinho crava em meus olhos volto cego e como se não bastasse sem máscara. Tento me recompor, mas os espinhos se multiplicam e acabo ferindo alguém sem querer. Depois, ainda tentando me recompor, sento e pego uma folha da arvore de inverno e com as gotas de sangue que agora caem dos meus olhos escrevo essa carta.

19 de mai de 2008

Sites Legais

Olá você, anjo dos meus pesadelos
A sombra no fundo de um necrotério
A vítima inesperada na escuridão de um vale
Nós podemos viver como Jack e Sally se quisermos
Onde você sempre pode me encontrar
Nós comemoraremos o Halloween no Natal
E à noite nós desejaremos que isto nunca termine
Nós desejaremos que isto nunca termine

(Eu sinto a sua falta)

Onde você está, eu sinto muito
Não consigo dormir, Não consigo sonhar esta noite
Eu preciso de alguém e sempre
Esta estranha e doente escuridão
Vem assustando e caçando todo o tempo
E enquanto eu observava eu contava
Todas as teias de aranha
Pegando coisas e comendo o que há dentro dela
Como indecisão de ligar para você
E ouvir sua voz traição
Você voltará para casa e parar com essa dor hoje à noite
E parar com essa dor hoje à noite

Não perca seu tempo em mim você já está
A voz dentro da minha cabeça (Eu sinto a sua falta) 3X

Não perca seu tempo em mim você já é
A voz dentro da minha cabeça (Eu sinto a sua falta, a sua falta)

(Eu sinto a sua falta
Eu sinto a sua falta, a sua falta

9 de mai de 2008

Sem título


Quando vc quer estar no seu mundo mas ñão consegue.Quando quer estar consigo mesmo e não tem como. Quando quer deixar de existir e simpesmente se ver vivo.Quando sonha em não acordar e acorda com um pesadelo.Quando está louco para se dissolver e se encontra compondo se numa pessoa que vc simplesmente odiaria ser.È difícil ter que acordar e encarar tudo novamente,vez após vez, dia após dia.Isso vai se tornando mais que rotineiro e vc já não tem mais nada a fazer porque se sente sufocado pelo mundo,pelas pessoas á sua volta.O pior é que nada preenche o que está faltando. Tudo o que vc faz é em vão.Isso é desesperador,vc então coloca as mãos sobre a cabeça e balança para os lados como que não acreditando no que está diante de ti, como que não acreditando no que te cerca, no que se repete.Mas ao morder os lábios fortemente vc sente uma dor e passa a ver que aquilo é mera realidade. O sentimento de inutilidade é um dos piores.Vc de repente se encontra em uma situação que vc juraria não existir, que vc juraria nunca passar por ela.Em seguida fecha os olhos e mesmo de olhos fechados consegue ver o medo de encarar os outros. Parece não haver mais solução, parece não haver mais saída então vc fecha os olhos e dorme na esperança de não mais acordar.

23 de abr de 2008

?Identidade?


Mesmo se não for capaz de me ver...este sou eu,
para sempre.Embora não desejasse estar morto.
Mais um dos perdidos.Sem saber onde está ou
até mesmo o porque está aqui.
Realmente sou aquele sem um nome.Você não pode
ver mais sou aquele sem um coração honesto como
guia.Ele foi treinado mas infelizmente não
funciona mais. A morte é o último esforço.
Estou aqui,morto diante de seus negros olhos
tentando achar a linha da vida que perdi.
Tento respirar mas em meus pulmões só
moram aranhas. Quanto eu desejo ser como
eles mas apenas fico sentado sobre minha
sepultura esperando por uma chuva reconfortante,
estou aqui há milênios mas nunca se chega um
para trazer a mim flores negras para combinar
com meus olhos.A chuva não vem para molhar
minhas rosas.Tudo que eu desejo é sonhar
de novo. Mas fazem mais de centenas de
milênios que isso não ocorre,não da para
ver no calendário, mas o barulho do pendulo
do relógio não me deixa esquecer.
Meu coração cheio de amor e ódio perdido
na escuridão de mim mesmo, tenta encontrar
forças para voltar a bater mas tudo é em vão.
Pela esperança eu dou tudo de mim, não pela
ilusão.Tentam constantemente me fazer voltar
a vida, mas assim como eu eles não tem poder
para isso.Mesmo assim sou grato por tudo,se
pudesse até dividiria minha vida com eles
mas eu já não a tenho.Pego uma pétala de
minha rosa favorita e ponho em meu diário.
E no decorrer de minha morte minha flor vai
secando entre as páginas cinco e seis,
onde conta maldições as quais me deteriorizou
até me levar á morte.Aquelas lembranças
melancólicas, acompanham meus passos ao
longo da vida e agora na morte.Tenho todos
esses milênios, mas não sei quem sou,
não sei meu nome.
||||||||||Texto de 29 de Abril de 2007|||||||||||||||||

Google+ Badge

Ocorreu um erro neste gadget