"Digno é Deus, o criador, de toda honra e toda glória para todo o sempre".

Pesquisar pedacinhos

28 de mai de 2008

Sem título




Como eu poderia me recompor enquanto você me dissolve nesse ácido mortal que é a vida?
Deixe com que eu viva a morte independentemente do que possa acontecer. Ajude-me se for capaz. Traga de volta o sorriso que nunca existiu, exceto em meus sonhos no qual me encontro toda vez que é necessário.
Por favor, quero retroceder e apanhar cada peça, cada migalha do que se desfez talvez por um silêncio talvez por uma única palavra, talvez pelo acaso, pelo vácuo, pelo vazio.
Dê-me. Mas não o passado. Dê-me o presente, dê-me o direito á loucura.
Colabore e então saberá do que o meu silêncio falava e verá que tudo conspirava ao seu favor. Você irá gostar.
Caiu o que fazia com que alguns depunham a meu favor. O que se vê no lugar então?Será que é necessário que eu diga? Está exposto para que todos possam ver. Quem quer ver? Se quiser pode rir um pouco só não aponte seu maldito dedo para mim.
Eu que tenho devorado o que parecia indevorável deixo-me a ser devorado por mim mesmo.
O que você fez? Olhe para si e me diga que eu não posso cobri-lo. Diga-me, por favor, diga o que há de mais sincero no meu olhar. Olhe profundamente. Pegue-me pela mão e me conduza gentilmente ao lugar onde eu descobri as faces do amor e faça-me reviver cada momento como se eles não tivessem sidos consumidos e então eu o farei de outra forma se assim você se deixar ser guiado pelo principio, o broto, aquele que já nasceu, aquele que jamais enxergou o que eu agora vejo em você.

Google+ Badge

Ocorreu um erro neste gadget