"Digno é Deus, o criador, de toda honra e toda glória para todo o sempre".

Pesquisar pedacinhos

28 de mar de 2012

O último amor do mundo





E se achegou a mim o anjo perdido,

Buscando a inocência somada à dor,

O retorno de sua presença a Terra me fez escravo

Anjo corrupto que se apossou de mim.

Mil demônios em seu silêncio,

Tocam profundamente as feridas de outras eras.

Menosprezando o 
Eu verdadeiro”
Destruindo o fruto perfeito- AMOR
Olhando fixamente meu corpo já inerte, está ele.

O Diabo dos meus sonhos,

Aspergindo lágrimas de solidão sobre minha alma,
Eterna covardia.
Anunciando a morte do “último amor do mundo”

“E de mim, se aproxima tu,

Demônio de olhos tristes,

De lágrimas sujas, de essência ferida...

Um coração tão partido
Que nem sinto pulsar...



Que sangue escorre sem vida a derramar,

Qual eu existe em você?

Em qual inferno ousou aterrissar?
Na tua própria alma gelada,
Ou no arder dos teus pecados insanos?


E anuncia o anjo,

A chegada do inverno,

Do vazio
Que é eterno...

Do amor que jaz sob esse mar congelado,
O último amor de um mundo todo alienado
Que vivo permanece nessa essência covarde,
E nunca existiu para dignificar sua morte...



*Poema em parceria com a Katrine do blog Poesia sem versos

Google+ Badge

Ocorreu um erro neste gadget